sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Prelúdio para o desencanto.

Seus cachos cabelos eram de parar
Só para eu só os apreciar
Sorriso de canto de querer voar
Som de pássaros ouvir cantar
Sentir o seu jeito macio de andar
Samba de roda e o seu rebolar
Santo desejo de aproximar
Suave era o cheiro do doce falar
Sobre bochechas o belo olhar
Sem graça por mim a me ver gaguejar
Sintoma do fato de querer beijar
Silencio da voz que não pude escutar
Soube do sim sem acreditar
Sentado no mundo me pus a voar
Sentindo a brisa que vinha do mar
Sai da canção me pondo a pensar
Que a perfeição que mexeu esse tanto
Imenso de tudo de volta meu pranto
Era lindo prelúdio para o desencanto