sábado, 13 de setembro de 2008

Aquele que escreve os - belos - versos abaixo, me faz sentir orgulho de dizer saber o que é amizade. Relação em três atos - assim como Rodrigo - é de todo, transparente. Me faz pensar e querer viver coisas que há tempos sinto falta.

Relação em três atos.

Com amor, relembro a história,
A busca pela menina
Que marcou esta trajetória.
Primeira Parte:
"O Descarte -
Quando Vênus negou Marte."

Noite confusa, sol chuvoso,
E em seu ouvido
Um sentimento amoroso.
Tentei. Assim o fiz.
Se não tive o que quis,
Não fui de todo infeliz.

Passam-se meses.
Terás, tu, coragem
De negar-me duas vezes?
Segundo Quinhão:
"A Decepção -
O comandante sem batalhão."

Noite fria, ar gelado.
No baile de máscaras
Não ficastes do meu lado.
Sim, errei.
Por que te soltei?
Nunca saberei.

Hesitei, fui fraco.
Mas, quando menos esperava
Surge uma festa de Baco.
Por fim, Terceiro Ato:
"O dia Abstrato -
Fim de um celibato."

Dia perfeito, verdadeiro encanto.
A ti perguntei:
- Farás como Pedro, o Santo?
- Não! Hoje, não!
Com um beijo então,
Selou-se a relação.
Rodrigo Rodrigues