domingo, 1 de junho de 2008

Não posso

Ele deita e nela pensa.
Logo fala: "Não, não posso".
Muda o pensamento, pensa no trabalho.
Aí lembra dela.
Muda os pensamentos, se força.
Sem deixar de falar o "não, não posso",
Até parar de rolar na cama e conseguir dormir.
No sonho ele esquece do "não, não posso".